fbpx
O BEM-ESTAR PSICOLÓGICO DE CADA PESSOA FAZ PARTE DO DIREITO À SAÚDE AJUDE-NOS A ESPALHAR

Impotência aprendida, lócus de controle, viés cognitivo e sustentabilidade do ego

pôquerNo panorama dos vícios patológicos, o jogo ocorreu de forma esmagadora na última década e hoje na Itália estamos enfrentando uma emergência real em termos de número de casos e variedade de formas de manifestação do fenômeno. De 2007 até hoje, o Projeto Orthos, dirigido por Riccardo Zebetto, recebeu cerca de 400 jogadores de toda a Itália, Suíça, Croácia, França e Inglaterra para tratamento de psicoterapia intensiva residencial de curta duração. A maioria deles vem da região da Toscana, que com sua clarividência financiou a intervenção para seus cidadãos, limitando assim os danos que são produzidos no tecido social ao qual pertencem.

No breve artigo a seguir, operando como parceiro e Gerente da Área Sul para o Projeto Orthos, Gostaria de resumir algumas considerações que emergiram da observação clínica e dos ricos momentos de intercâmbio com colegas e, em particular, com Riccardo Zerbetto, diretor científico e criador do projeto.

Correspondendo aos dados relativos à rotatividade dos vários tipos de jogos, a maioria das pessoas que chegam em tratamento desenvolveu dependência de máquinas caça-níqueis, apostas esportivas e loteria de vídeo. Em porcentagens decrescentes, aqueles cuja dependência está vinculada a raspadinhas, Win for Life, Bingo, pôquer, cassino ...

O acesso ao tratamento pode ser feito a pedido direto do interessado ou mediante envio dos Serviços de Toxicodependência (ou Centros de Saúde Mental), e requer uma avaliação criteriosa da motivação, da gravidade da dependência e do estado geral de saúde física. e psíquico. A primeira avaliação, portanto, permite que a equipe Orthos forme grupos de 8 a 10 pessoas, com uma presença média de 1 a 2 mulheres, nos quais os níveis médios de psicopatologia não afetem o potencial das intervenções de psicoterapia de grupo. SOGS, BIS11, TAS20, DES-II, PAS-S, PAS-50, MMPI, são as ferramentas usadas na fase de ingestão para completar uma avaliação geral das condições a partir das quais o tratamento começa. Em nenhum caso são aceitos casos agudos psiquiátricos, os quais devem ser trazidos a uma situação de indenização em outros serviços antes de serem inseridos. No entanto, cerca de 35% daqueles que são introduzidos ao tratamento têm diagnósticos comórbidos, os mais comuns dos quais são: depressão, transtornos de ansiedade, transtorno de personalidade de fronteira, síndrome de Parkinson. Formas anteriores de abuso e / ou dependência de álcool e / ou substâncias psicotrópicas são freqüentemente encontradas. Em uma porcentagem menor, mas não marginal, as condições anteriores ou atuais de vício / comportamento problemático foram encontradas em comportamentos sexuais, alimentares ou de compra (compras compulsivas).

Isso nos leva diretamente a sublinhar o posicionamento do transtorno do jogo no espectro dos vícios patológicos, com um modelo interpretativo que integra as diretrizes mais frequentemente questionadas na literatura científica: dependência química, transtorno de controle. de impulsos, transtornos do espectro do humor e o lado obsessivo-compulsivo. Vamos considerar as diferentes conceituações que não são mutuamente exclusivas: para fins hermenêuticos e pragmáticos, é mais lucrativo considerar a complexidade do DGA como declinável em subtipos que são caracterizados de tempos em tempos pela preponderância de uma das diretrizes mencionadas acima. Um conceito chave para lidar com a complexidade do DGA é, sem dúvida, o de "Personalidade com tendência ao vício" (APP): uma correlação clara entre "Buscadores de sensações - Personalidade anti-social - Psicoticismo" e o uso problemático de álcool foi demonstrada com estudos longitudinais (Barnes et al. - 2000) e novos dados a serem coletados entre jogadores problemáticos, poderiam nos ajudar a verificar se as diretrizes de personalidade resumidas pelo conceito de APP são significativamente preditivas sobre a possibilidade de desenvolver o vício do jogo.

Uma maior compreensão dos traços disfuncionais associados significativamente ao jogo patológico pode nos permitir desenvolver protocolos de intervenção específicos:

Alexitimia> Consciência emocional, Psicoeducação, Treinamento de conscientização ...
LOC externo> Reciclagem de atribuições, com foco no planejamento e responsabilidade ...
Impulsividade> "Pare e Pense", Consciência Emocional, Processamento de Expressão ...

As principais linhas de personalidade nas quais o conceito de APP se baseia são: Busca de Sensação / Saída / Novidade, por um lado, e Anti-socialidade / Psicoticismo, por outro, aspectos que se refletem, respectivamente, na impulsividade e alexitimia freqüentemente detectadas pelas investigações diagnósticas adotadas pelo Equipe Orthos. Nas investigações realizadas, a impulsividade está correlacionada no nível de tendência com a alexitimia, indicando que o trato impulsivo provavelmente está conectado a mecanismos inadequados de processamento intrapsíquico e à comunicação intersubjetiva de emoções, bem como ao seu uso insuficiente como guia para o comportamento. Além disso, o primeiro fator do TAS-20, (DIF - dificuldade em identificar emoções e distingui-las das sensações somáticas), mostra altos valores de associação com experiências dissociativas medidas pelo DES-II, confirmando o que já foi encontrado na literatura em comparação com outros formas de dependência patológica (Caretti, Craparo, Schimmenti, 2006[Ii]; Caretti et al., 2007[III]).

Assumir o controle do jogador problemático ou francamente patológico não pode, portanto, ignorar a complexidade etiopatogenética e a tentativa de estruturar experiências reparadoras / catárticas e caminhos de redefinição do Lócus de Controle em termos de domínio.

Os estudos realizados sobre jogadores e tentativas de classificá-los em tipologias (Greenson, 1947[IV]; Moran, 1970[V]; Glatt de 1974[Vi]; Custer, 1984[Vii], para citar alguns) destacaram uma considerável complexidade das vias etiopatogenéticas e das formas de manifestação do problema. Atualmente, há uma tendência de considerar a distinção entre jogadores de ação e jogadores de fuga como sendo de alguma utilidade (Lesieur & Blume, 1991[Viii]), pois a diferença nas motivações para jogar e nas características de personalidade entre essas duas categorias sugere protocolos de tratamento diversificados. Para os fins do tópico que estamos apresentando, porém, é importante direcionar nossa atenção para as tipologias descritas por Moran. (Ibid) em termos de "jogo sintomático" e "jogo impulsivo". Para o jogador sintomático, (comparável ao álcool alcoólico do tipo alfa de Jellinek[Ix]) o jogo é uma expressão direta do distúrbio psicológico do qual sofre (formas reativas de natureza neurótica, distúrbios de personalidade, psicose). Nos jogadores impulsivo (entre os quais encontramos traços de alcoólatras, tanto do tipo gama quanto do tipo delta de Jellinek; ibid) a incapacidade de abster-se do jogo e evitar pensar nele, causada por fatores psicológicos e sociais, é em muitos casos encenada dramaticamente, com fases de perda de controle alternadas com momentos de abstinência. Portanto, ambas as tipologias são caracterizadas pela presença de problemas afetivos / relacionais preexistentes, que podem ser considerados o substrato no qual as atuais manifestações do controle de impulsos se desenvolveram (DSM IV-TR[X] e CID-10[Xi]). Em jogadores sintomáticos, o distúrbio foi estruturado a partir de uma vulnerabilidade emocional pré-mórbida, conforme descrito por Blaszczynski e Nower[Xii]: nesses assuntos, portanto, frequentemente encontramos ansiedade, depressão, comorbidade com o abuso de álcool e histórias familiares caracterizadas por aspectos problemáticos, entre os quais jogos de azar ou outras dependências patológicas dos pais não são incomuns. Entre aqueles que são descritos por Moran como "jogador impulsivo", haverá distúrbios de personalidade mais frequentes (em particular anti-sociais), traços limítrofes, distúrbios de déficit de atenção e, em geral, enfrentaremos casos em que a impulsividade causa a uma ampla variedade de manifestações desadaptativas (abuso de substâncias, isolamento sócio-afetivo, tendência a cometer crimes, busca de sensações, irritabilidade, baixa adesão a tratamentos, ...) que dificultam o engajamento e o tratamento. No caminho terapêutico-reabilitação de Projeto Orthos os actores problemáticos e patológicos, pertencentes aos dois tipos acima descritos, foram acolhidos e apresentados a encontros terapêuticos individuais e grupais que visam a promoção daquelas práticas introspectivas e o reexame do percurso de crescimento socioafetivo indispensáveis ​​para a identificação dos componentes emocionais, cognitivos, relacionais e comportamentais que determinaram o estabelecimento e perpetuação de formas inadequadas de regular os impulsos e satisfazer as próprias necessidades[Xiii]. Nesse contexto, o que inicialmente se configura como uma reconstrução compartilhada de uma anamnese de estados emocionais e condições relacionais de desenvolvimento, diminui passo a passo na possibilidade de observar como o que emerge do lado emocional se entrelaça com introjeções e crenças. disfuncional que caracteriza o lado cognitivo do distúrbio. Durante as intervenções individuais e em grupo, a estrutura coevolucionária dos aspectos emocionais / relacionais e cognitivos / imaginativos é apresentada em todas as suas evidências. Assim, torna-se possível sublinhar como "deficiências" ou "invasões" que afetaram um desses dois eixos principais afetam ambos, alimentando uma espiral patogênica. Especificamente, foram encontrados numerosos casos em que os sinais distintivos de impotência aprendida são acompanhados por viés cognitivo característico, como a ilusão de controle, pensamento mágico, a falácia do jogador em suas várias formas.[XIV], a redefinição de situações em termos autojustificantes (e novamente: ilusão de agrupamento, heurística de disponibilidade, viés atencional, correlação ilusória, falácia lúdica, viés de otimismo, efeito de excesso de confiança, viés de resultado positivo, retrospectiva otimista, viés do atirador do Texas ...).

Seligman [XV],[xvi] descreveu o conceito de "desamparo aprendido" como um complexo de déficits emocionais, cognitivos e motivacionais, resultantes da exposição repetida a eventos negativos incontroláveis: sujeitos animais submetidos a este tipo de situações desenvolveram, no contexto experimental que ele concebeu, condições de depressão , falta de reatividade, abulia / akrasia que persistiu mesmo em condições alteradas. No entanto, isso não aconteceu naqueles sujeitos a quem foi garantida uma possibilidade de controle durante a fase experimental inicial: as inferências explicativas que daí derivaram relacionavam a ocorrência de episódios de conotação negativa com a impossibilidade de agir, de realizar ações que pudessem influenciar a ocorrência de eventos. O desamparo aprendido pode, portanto, ser descrito como um aprendizado em que a consciência do próprio desamparo (real) é considerada inevitável e generalizada a contextos e situações que não têm mais a ver com os originais. Os objetivos desejados e esperados não podem mais ser relacionados a atos e esforços praticáveis, e o sujeito cai em inércia. O conceito, sendo emprestado de pesquisas com animais, foi mais tarde criticado e revisitado por muitos, e até mesmo pelo próprio Seligman: junto com Abramson e Teasdale[xvii] ele introduziu mudanças no arcabouço teórico inicial que não abordava as atribuições causais feitas pelas pessoas em relação à sua impotência. Uma atribuição causal interna, generalizada e estável, referente à impotência, na verdade leva a um senso de inevitabilidade mais acentuado e a uma desconfiança mais ampla, ao invés de atribuir a própria impotência a fatores externos, ou fatores internos, mas específicos e / ou variáveis, podem permitir escapar da generalização e cronicidade.

A esse respeito: “A associação entre alexitimia e locus de controle deriva da observação de que os indivíduos que obtêm pontos altos no TAS-20 acabam por ter um LOC externo. Parece lógico: uma pessoa mal em contato com suas emoções, portanto privada da possibilidade de usá-las como base de pensamento e motivação, pode acreditar que os acontecimentos dependem do destino, ou de "outros poderosos" (Solano, 2001; Carpini, 2008)

Observemos agora a relação entre ilusão de controle e impotência aprendida: a última, que emerge de experiências nas quais a falta de controle é central e decisiva, tende a se manifestar em contraponto com o viés cognitivo mencionado acima: o surgimento de viés cognitivo específico (que são substanciados em interpretações defensivas) é, portanto, nesses casos, o resultado da auto-regulação que é ativada para evitar a experiência depressiva que pode derivar da perda de controle em situações de estresse, incerteza, caos e também apoiado por Fenton-O'Creevy et al.[xviii], que, estudando o fenômeno no contexto do desempenho dos negócios, também encontraram uma redução drástica no desempenho na capacidade de analisar, gerar lucros, bem como no gerenciamento de riscos entre aqueles que estavam inclinados à ilusão de controle. Em essência, quando uma possibilidade de controle genuíno do mundo falha, uma estratégia eficaz de enfrentamento de experiências depressivas, incerteza e estresse pode ser o desenvolvimento de formas de pensamento mágico, de ilusões de controle que, até certo ponto limiar, eles têm uma função adaptativa, pois apoiam a motivação e a resiliência.

Ao promover ações para contrastar o desenvolvimento e a manutenção das várias formas de vício patológicono entanto, é importante manter uma visão multidimensional e lidar com as implicações biopsicossociais do fenômeno. Manter uma consciência clara de como esses fatores são inextrincavelmente adotados, mesmo quando lidamos com um aspecto específico do problema, significa preservar a fratura do pensamento que nos permite ver de forma transparente a sobreposição de níveis que vão da expressão da vulnerabilidade biológica (original). ou adquirido), ao sofrimento psíquico, ou ainda àquele "ser-estar" social que encontra seu canal de expressão na pessoa - "elo fraco" do sistema, que se torna sintomático no que diz respeito à encruzilhada das condições existenciais psicossocial) insustentável. Aqui, torna-se importante dedicar mais algumas palavras ao conceito de "egossustentabilidade": Com licença poética," ego "é aqui entendido em termos holísticos, como" organismo vivo em um contexto ambiental "e não no significado psicanalítico clássico que o vê como um esboço rudimentar do ego, primitivo e narcisista. Poderíamos, portanto, definir "egostenibilidade" a condição existencial na qual, para um indivíduo específico, os determinantes biopsicossociais se apresentam como "suficientemente bons" e em um estado de equilíbrio que permite a permanência no mundo sintomático, ou pelo menos não patológico. Pelo contrário, a inadequação original ou o dano / esgotamento de um ou mais desses aspectos pode levar a condições existenciais que a pessoa (organismo em contexto) não pode mais suportar: nesses casos, de alguma forma (embora o equilíbrio mórbido) só pode ser recuperado através de uma regressão frequentemente acompanhada de manifestações francamente sintomáticas, dentre as quais a dependência patológica é a mais comum. O consumo de álcool e tabaco como estratégia de enfrentamento não adaptativa (enfrentamento ao estresse) é amplamente divulgado e documentado, como infelizmente infelizmente é conhecido o consumo de drogas para fins de desempenho, também de natureza relacional (doping não mais esportivo, mas "existencial"). "), Semelhante em certa medida ao aumento nas vendas de antidepressivos e ansiolíticos (+ 4,4% de medicamentos para o SNC entre janeiro e 09 de setembro - Relatório OsMed). É muito fácil uma estratégia de enfrentamento disfuncional se tornar um vício: quando nossos recursos biopsicossociais são inadequados em relação às nossas expectativas ou demandas ambientais e seguimos o caminho de "Doping-coping " em vez de amadurecer o contato necessário com nossas possibilidades e restrições, a dependência depende de nós, como "se não é uma resposta, pelo menos nos faz esquecer a pergunta", como diz um provérbio alemão. Como em qualquer oração (cf. Turgenev), perguntamos à substância psicoativa ou ao comportamento desadaptativo: "não faça dois mais dois na minha vida fazer quatro", mas cinco ... No jogo problemático e / ou patológico, essa expectativa mágica parece particularmente presente. Devemos lembrar que, embora algumas vezes nascam no mesmo bairro, com as mesmas oportunidades econômicas e sociais e talvez até na mesma família, as diferentes pessoas vivem diferentes condições existenciais. Antes de tudo, eles são portadores de sua própria bagagem "temperamental": de fato, sabemos que todo mundo tem uma composição genética peculiar que o distingue desde a vida pré-natal. As pesquisas científicas dos últimos anos nos confortam em reconhecer que, desde a infância mais tenra, existem traços pessoais distintos, que caracterizam cada indivíduo: dentre essas características, podemos identificar algumas vulnerabilidades comuns (hipertimia, TDAH, ...) que ocorrerão mais tarde ser configurado como fatores de risco para o desenvolvimento de uma personalidade propensa ao vício (Personalidade Propensa ao Vício). Além disso, nos primeiros anos de vida, a partir do pré-natal, cada um de nós experimenta a influência de situações ambientais irrepetíveis, nas quais as experiências, as constelações de valores e os esquemas relacionais da família e dos outros significativos se entrelaçam com as características básicas da pessoa, eles vão modular / moldar nossa personalidade e as modalidades de nosso "estar no mundo". As fantasias, medos, convicções estabelecidas nos anos de nosso "treinamento" como indivíduos contribuem para orientar nosso olhar peculiarmente para o mundo e, finalmente, o ambiente social, cultural e econômico em que crescemos e nos tornamos adultos, exerce a sua influência inexorável, para o bem ou para o mal. Toda ação destinada a conter o desenvolvimento e as raízes do vício será, portanto, estruturada com a natureza geral da pessoa e sua relação com o ambiente em mente, como acontece em tratamentos integrados.

O caminho terapêutico-reabilitador proposto por Orthos baseia-se na integração da psicoterapia gestalt, intervenções psicoeducacionais, coaching, elementos de bioenergética e terapia sistêmico-relacional, meditação e aconselhamento.

A estruturação de experiências evolutivas que permitem a transição do "desamparo aprendido" para a "plenitude da esperança aprendida", favorecendo a redefinição de um equilíbrio em termos de lócus de controle no sentido de "domínio" e estimulando a superação das condições da alexitimia é, portanto, a espinha dorsal da intervenção Orthos:

  • observação de cristalização / fixação em modalidades de contato desadaptativas;
  • reapropriação de aspectos emocionais perturbadores;
  • empoderamento / reapropriação do senso de autoeficácia por meio de abordagens de trabalho por objetivos;
  • de suporte externo / influência externa (fantasmático - inconsistente) para auto-suporte interno / locus de controle (realista - substancial);
  • conhecimento e reconciliação com o "daimon" de alguém;
  • reapropriação da responsabilidade, consciência das necessidades, prazer / desprazer dinâmico, possibilidade de brincar social - brincar consciente;

são algumas das ferramentas de intervenção que a equipe de Projeto Orthos usa em módulos que poderíamos licenciar para definir "serviços de ressuscitação psicológica".

Nos meses seguintes, por um ano, os participantes manterão contato entre si (com o estabelecimento de um sistema de "cadeia" de comunicação) e com os operadores Orthos para monitorar o caminho da "assimilação" experiências reparadoras vividas na fase de tratamento intensivo. Três meses, seis meses e um ano após o término da intensa experiência, o grupo original retornará ao centro de saúde para compartilhar, enfrentar dificuldades, "celebrar" conquistas, continuar a "fazer uma alma" ...

 

Cláudio Dalpiaz

Psicólogo, psicoterapeuta
Resp. Projeto Orthos da Área SUL
Presidente Psy + Onlus
Psicoterapeuta no Stella Polare Day Center - Roma - Roma
www.claudiodalpiaz.it

 

 

Bibliografia

Barnes et ai; A personalidade propensa ao vício, 2000 Springer

V.Caretti, G. Craparo, A. Schimmenti (2006). Fatores de risco de dependência patológica na adolescência. INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA, vol. 3; p. 160-169, ISSN: 1594-5146;

V. Caretti, E. Franzoni, G. Craparo, G. Pellegrini, A. Schimmenti (2007). Desregulação e dissociação afetivas como preditores de experiências traumáticas em transtornos alimentares. INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA, vol. 1; p. 1-13, ISSN: 1594-5146

Greenson R. (1947), Sobre o jogo, American Imago, 4, 61-77;

Moran, E. (1970). Variedades de jogos patológicos. Jornal Britânico de Psiquiatria, 116, 593-97;

Glatt (1974) Um guia para o vício e seu tratamento - drogas, sociedade e homem. J.Wiley & Sons Inc.;

Custer, RJ (1984) Perfil do jogador patológico. Jornal de psiquiatria clínica, 45, 35-38;

Lesieur, Henry R. e Sheila B. Blume. (1991) Quando a sorte perde: mulheres e jogo compulsivo. em Perspectivas feministas sobre vícios, ed. Nan van Den Bergh, 181-197. Nova York: Springer Publishing Co.;

EM Jellinek, (1960) Alcoolismo, um gênero e algumas de suas espécies. Le Journal de l'Association Médicale Canadienne, Vol. 83, N ° 26

Associação Americana de Psiquiatria (2000). Manual de diagnóstico e estatística de transtornos mentais (ed. 4 TR). American Psychiatric Publishing Inc.;

Ministério da Saúde, CID-10: Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde: 3 volumes, Roma: Instituto Poligráfico e Casa da Moeda do Estado, 2001;

Blaszczynski A., Nower L., (2002), "Um modelo de caminhos do problema e do jogo patológico", Addiction, 97, 487-499;

"Filosofia da referência" - www.orthos.biz - Ricardo Zerbetto;

Keren G.; Lewis C., (1994) As duas falácias dos jogadores: tipo I e tipo II, Comportamento organizacional e processos de decisão humana, vol. 60, no1, 75-89;

Seligman, MEP e Maier, SF (1967). Falha em escapar do choque traumático. Blog ofPsicologia Experimental74, 1-9

Seligman, MEP (1975). Desamparo: Sobre depressão, desenvolvimento e morte. São Francisco - WHFreeman;

Abramson, LY, Seligman, MEP e Teasdale, JD (1978). Desamparo aprendido em humanos: crítica e reformulação. Journal of Abnormal Psychology, 87, 49-74;

Fenton-O'Creevy, M., Nicholson, N. e Soane, E., Willman, P. (2003) Negociação de ilusões: percepções irrealistas de controle e desempenho de negociação. Jornal de Psicologia Ocupacional e Organizacional 76, 53-68;

 

 

 

jogo de azar, vícios, gioco'azzardo, arranhar e ganhar





Com sua ajuda, todos os dias

traduzimos o conhecimento da psicologia em projetos eficazes

para o bem-estar psicológico de cada pessoa

desde 2011 estamos comprometidos com a divulgação do bem-estar psicológico como direito de todas as pessoas

Via Gaeta 19 int.1 - 00185 Roma (Itália)
CF 97662640586 - IVA 12906461004
IBAN IT67Z0501803200000016828261

mantenha contato


Siga o Social PsyPlus